anúncio da hospedagem
03.08.20
postado por Beatriz na categoria Bella Hadid
Bella Hadid é capa da Elle US digital e concede entrevista

Não há dúvidas de que Bella Hadid é uma workaholic e como mais uma prova disso a modelo aparece em mais um trabalho durante a pandemia, dessa vez na capa da Elle US de agosto. A modelo, que foi fotografada em quarentena, por sua irmã Gigi Hadid esbanja felicidade em um shoot intimista na fazenda de sua mãe na Pensilvânia. Em uma sessão de perguntas e respostas exclusiva, nossa estrela da capa fala sobre a vida em auto-isolamento, o futuro da Fashion Week e sua necessidade apaixonada de falar sobre o que importa.

ELLE: Como muitas pessoas de destaque, você tem usado sua plataforma para aumentar a conscientização sobre o movimento Black Lives Matter. Você escreveu recentemente no Instagram: “Estou sentada aqui ouvindo. Compreensão. Me educando. Fazendo chamadas para exigir justiça. Doando. E procurando aos amigos para o caso de se sentirem magoados ou perdidos esta semana. ” Como figura pública, qual é a sua responsabilidade para com os mais jovens que o admiram?

Bella Hadid: Eu tenho muita responsabilidade de usar minha plataforma para o bem, especialmente à medida que envelheço. Quero que meninas e meninos saibam que não há problema em usar sua voz e exigir justiça pelo que é importante para você. Quero que eles saibam que não há problema em ser empático e gentil, mas ser forte e falar a sua verdade ao mesmo tempo.

ELLE: Este momento está nos forçando a olhar com atenção para as indústrias em que trabalhamos, e a moda está sob um olhar minucioso particular. Onde você acha que a indústria da moda precisa mudar em termos de diversidade e inclusão?

BH: Indo para a próxima temporada, meu medo é ter que ver outra das minhas amigas pretas queimarem o cabelo com uma chapinha ou fazer sua própria maquiagem porque a maquiadora não foi treinada para trabalhar com todos os tipos de pele. Eu odeio que alguns dos meus amigos pretos se sintam assim. Mesmo que estejam sentadas na primeira fila, não estão se sentindo aceitas. Supõe-se que nossa indústria seja sobre expressão e individualidade, mas a realidade é que [muitas pessoas] ainda discriminam por causa exatamente dessas diferenças.

ELLE: Como você acha que as coisas vão mudar como resultado do COVID, em termos de desfiles e como as filmagens funcionam? Você está pessoalmente repensando a maneira como trabalha? Como você fantasia a indústria da moda do futuro?

BH: Eu tive muito tempo para refletir durante a minha quarentena e estou realmente ansiosa para voltar ao trabalho e fazer arte novamente. Indo para a próxima temporada, espero que possamos encontrar uma maneira proativa de avançar de forma segura e saudável. Eu acho que nossos sets serão menores e mais íntimos, o que será bom para uma mudança. Também precisamos estar cientes de não usar os mesmos pincéis de maquiagem nos shows e implementar muitos outros regulamentos de saúde para manter as pessoas seguras. Há muito o que aprender e muito o que fazer, mas sinto que com as pessoas certas, a moda pode mudar tudo.

ELLE: Esta não é a primeira vez que você usa sua plataforma para falar sobre questões políticas importantes para você: você falou em participar de um protesto em 2017 contra a ordem executiva de Trump de proibir a entrada de vistos de sete países predominantemente muçulmanos, por exemplo. O que faz você decidir falar sobre um determinado problema e sente algum nervosismo em falar e possivelmente indispor seu público? Você acha que a importância de expressar suas crenças supera a perda de alguns seguidores aqui e ali?

BH: Tragédias horríveis acontecem diariamente em todo o mundo, e eu tenho a responsabilidade de falar pelas pessoas que não estão sendo ouvidas ou que não têm plataforma. Eu percebi que muitas vezes não se trata do que você diz, mas como diz. Nunca me sinto nervosa por me expressar quando acredito em algo. Não quero que nenhum de meus seguidores se sinta alienado por minhas postagens, mas há coisas sobre as quais devo falar. Um post pode educar muitas pessoas e, na maioria das vezes, o que escrevo ressoa com meus seguidores e eles percebem que não estão sozinhos. Espero que as pessoas possam se sentir capacitadas com isso. Se eu sou apaixonada por alguma coisa, vou falar sobre isso, conversar e conversar e conversar. Para mim, não se trata de perder ou conquistar seguidores, mas de educar as pessoas e dar uma plataforma às vozes que precisam ser ouvidas.”

ELLE: Desde o início da quarentena, você mora na fazenda da sua família na Pensilvânia. Do que você mais sente falta de Nova York?

BH: Sinto falta de sorrir para as pessoas. Sinto muita falta de abraçar. Sinto falta de passear e ouvir música. É diferente quando você está na cidade. Você pode andar para sempre – indo a lugar nenhum e de alguma forma ainda sentindo que tem um lugar para estar.

ELLE: Do que você mais sente falta na vida cotidiana pré-quarentena?

BH: Trabalhar. Depois de alguns anos sendo viciada em trabalho – sem ficar em casa por mais de cinco dias -, passei três meses em casa [intenso].

ELLE: Você participou recentemente de uma campanha remota para Jacquemus – como foi? Como esses tipos de fotos remotas mudaram a maneira como você aborda a modelagem?

BH: Eu amo tanto o [designer] Simon [Porte Jacquemus] quanto o [fotógrafo] Pierre-Ange [Carlotti]. Acabou ótimo. Foi a primeira sessão de fotos online que eu fiz, então ainda estava tentando descobrir a logística nos bastidores. Eles são duas das minhas pessoas favoritas para trabalhar, e realmente não parece trabalho quando trabalhamos! Nós apenas fizemos um FaceTime, rimos, tiramos screenshots, eu mudei de roupa algumas vezes e depois terminamos!

HELMUT LANG

ir

%d bloggers like this: